Quarta dos Tambores anuncia pausa após completar quatro anos e 50 edições

A Quarta dos Tambores realiza neste mês de dezembro a sua 50ª edição e anuncia pausa de seis meses. O último encontro comemora o aniversário de quatro anos da Quarta com homenagens a Iansã e Xangô, orixás patronos do projeto. O Toque dos Artistas desta edição especial traz o Samba de Roda da Suerdieck, a banda de reggae roots Tribo de Levi, Na Tora Baile System e recebe a homenagem do Coral da Santa Cruz. A noite também reserva espaço para a dança, com a performance Transições entre África e Brasil, do Coletivo Tem Dendê, e a apresentação de dança contemporânea e neoclássica de Edson Bispo. A programação ainda recebe o poeta Adriano Pereira, e o professor Fernando Rabelo que apresenta a técnica do Lasertag – um grafite que se pode apagar com o clique do mouse. O evento acontece no dia 2 de dezembro, às 19h, na Praça Teixeira de Freitas, centro histórico de Cachoeira.

Entenda como a Quarta começou e quais as circunstâncias que motivaram a Comunidade do Tambor – coletivo que realiza o projeto – a pôr uma pausa nos encontros.

A Quarta de Cachoeira

A Quarta dos Tambores iniciou suas atividades em dezembro de 2011 quando realizou a sua primeira edição, naquela época contando com um pequeno público distribuído entre as cadeiras vazias em forma de círculo. Com o tempo o projeto manteve sua realização mensal e foi atraindo cada vez mais público, ao mesmo tempo em que ampliou sua proposta que se restringia a uma atividade religiosa voltada para o combate a intolerância. A ideia do projeto era reunir alabês de todos os terreiros de candomblé para realizar o debate a respeito da intolerância religiosa ainda fortemente presente nas relações cotidianas da cidade que é referência dos cultos aos vodus e orixás. Surgia então o movimento cultural de matriz africana que foi chamado de Quarta Dos Tambores, escolhendo a quarta-feira por ser o dia venerado a Xangô, o orixá do fogo e dos trovões. Decisão que foi tomada em reunião motivada por Alder Augusto – idealizador do projeto – com a participação de Marcelino Gomes de Jesus, presidente da Fundação Casa Paulo Dias Adorno e Xavier Vatin, então diretor do Centro de Artes, Humanidades e Letras da UFRB.

A estrutura da Quarta

O primeiro momento do projeto passou a ser chamado Toque Das Nações – momento dedicado às quatro nações do candomblé, carregando consigo o objetivo, pela qual a proposta havia sido criada. Em seguida foi introduzido o Toque Dos Artistas, quando o projeto passou a considerar os grupos culturais como parte do processo de resistência negra. A partir desse momento, surgiu um novo olhar sobre a proposta, pois a Quarta acabou tomando pra si, uma demanda crescente de apresentações culturais que não apenas abarcava os grupos culturais tradicionais – como os sambas de roda – mas incluía também os novos grupos que iam surgindo a partir da produção juvenil e junção de novas linguagens.

No terceiro momento, a introdução de temas voltados para as questões raciais e demonstrações em arte-tecnologia marcaram o inicio de dois novos quadros. No debate, eram convidados grandes personalidades de resistência negra para falar sobre as questões raciais, a exemplo de Luislinda Valois e Vovô do Ilê, que levantaram questões relacionadas aos desafios impostos pelo racismo. Já o Resistec surgiu com o objetivo de estimular a nova garotada a pensar não apenas no consumo das novas tecnologias, mas na possibilidade de criá-las e dessa forma desenvolver uma linguagem própria capaz de refletir a subjetividade da região do recôncavo.

Os desafios

Para dar conta de todos os desafios de gestão, um coletivo de pessoas engajadas com a ideia foi se aprimorando e então foi criada a Comunidade do Tambor (ComTa). Um coletivo estruturado em um conselho técnico e um conselho permanente. O primeiro se responsabilizava pela gestão, produção e acompanhamento das atividades de produção mensal, o segundo concentrava-se em preservar as orientações do projeto. Essa produção buscava negociação contínua e aberta com os artistas participantes, sem perder os princípios básicos pelas quais o projeto havia sido criado. Dentro do coletivo a participação de estudantes universitários contribuiu para a manutenção do projeto ao longo dos quatro anos. No entanto, alguns percalços relacionados ao contexto local e global foram surgindo. Vários foram os desafios para consolidar o coletivo e, dessa forma, institucionalizar o evento que passou a fazer parte da agenda cultural da cidade.

A ideia de continuidade do projeto (toda primeira quarta-feira de cada mês) não encontrou condições dentro da cidade. O acesso aos recursos dependia dos editais culturais oferecidos pelo Estado, que pouco compreendia a natureza da proposta da Quarta dos Tambores. Outro fator estava relacionado à comunidade local, onde se evidenciava um conflito entre o público e o privado. Uma imersão a extremas relações afetivas inviabilizava a cooperação mútua entre esses agentes visando um objetivo em comum.

A pausa

Por estes motivos, a Comunidade do Tambor decide dar uma pausa de seis meses aos encontros culturais da Quarta Dos Tambores. Esta pausa representa um momento de revisão e, sobretudo busca por melhores condições para a continuação da atividade cultural que funcionou e que se tornou referência de atividade cultural, não só na cidade da Cachoeira, mas em toda região do Recôncavo e todo o Estado da Bahia.

Anúncios

No mês de novembro, Quarta dos Tambores chega à 49ª edição

qt2

No dia 4 de novembro, acontece mais uma edição da Quarta dos Tambores, na cidade de Cachoeira. O encontro reúne artistas e representantes dos terreiros de candomblé – das nações ketu, gegê, nagô e angola – num diálogo cultural dividido em dois momentos.

A programação inicia com o Toque das Nações, que nesta edição saúda Iansã, a rainha dos mortos, sob o comando de Doté Marcelino e Babá Gilmar. O evento segue com o Toque dos Artistas, com quatro apresentações artísticas da cidade de Cachoeira, MC Inho,  MC Pedro Kaka, o músico Cássio Duarte e a banda Esquizo’Frenética.

A Quarta dos Tambores começa às 19h, na Praça Teixeira de Freitas, no centro histórico da Cachoeira. O projeto acontece em toda primeira quarta-feira do mês e é realizado pela Comunidade do Tambor, com o apoio da Secretaria de Cultura e Turismo de Cachoeira, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e da Fundação Casa Paulo Dias Adorno.

Quarta dos Tambores – 49ª Edição

Quando: 4 de novembro (quarta-feira), das 19 às 23h

Onde: Praça Teixeira de Freitas, Centro Histórico, Cachoeira/BA

Quanto: Gratuito

Informações: https://quartadostambores.wordpress.com/

Quarta dos Tambores de setembro festeja o mês dos Ibejis com artistas do recôncavo e samba de roda de Cachoeira

Na próxima quarta-feira, a Comunidade do Tambor realiza a 47ª edição da Quarta dos Tambores em Cachoeira. No mês de setembro, o encontro cultural saúda os Ibejis e Erês em seu Toque das Nações, época que também marca as comemorações de Cosme e Damião. No segundo momento do evento, o Toque dos Artistas apresenta o Samba de Roda Esmola Cantada da Ladeira da Cadeia, o cantor e compositor Tom Brown e o músico cachoeirano Jorjão do Sax. O encontro acontece na Praça Teixeira de Freitas, às 19h.

A Quarta dos Tambores tem início com o tradicional Toque das Nações, momento onde os ogãs reverenciam os orixás do candomblé. Esta edição, o Toque comandado por Doté Marcelino e Babá Gilmar, comemora o mês dos Erês – Ibejis na nação Ketu e Vunji na nação Angola e Congo – que são os orixás crianças. É o mês de reverenciar as divindades da brincadeira e da alegria, que tem sua regência ligada à infância. Os ibejis também são responsáveis pela transição entre o orixá e a matéria. De forma sincrética, foram associados aos santos Cosme e Damião, que também são homenageados em setembro.

Toque das Nações com representantes dos terreiros de candomblé

              Toque das Nações com representantes dos terreiros de candomblé.

A segunda parte do evento propõe um diálogo entre os artistas do Recôncavo da Bahia, trazendo a diversidade cultural da região. Este mês, o Toque dos Artistas recebe o Samba de Roda Esmola Cantada da Ladeira da Cadeia. O grupo é uma manifestação cultural/religiosa de Cachoeira que começou em 1940 e possui hoje cerca de vinte integrantes. Com indumentárias próprias e simples, munidos de pandeiros, atabaques, viola e cavaquinho, os cantadores e cantadoras trazem o autêntico samba de roda do recôncavo baiano para a noite da Quarta.

O Toque dos Artistas também vai receber o cantor e compositor Tom Brown, da cidade de Conceição de Almeida. O músico começou suas experiências no palco aos 12 anos e seguiu sua carreira artística. Hoje é o atual vocalista da Banda Forroots, que já se apresentou no encontro da Quarta. Desta vez, Tom apresenta seu show de voz e violão com canções autorais e releituras de algumas de suas referências musicais.

Toque dos Artistas apresenta a Esmola Cantada, Tom Brown e Jorjão do Sax.

 Toque dos Artistas apresenta a Esmola Cantada, Tom Brown e Jorjão do Sax.

A noite da Quarta também vai ter espaço para o som instrumental. O músico cachoeirano Jorjão do Sax traz o foxtrote, o lombo brasileiro e o chorinho. Jorjão tem sua trajetória musical ligada à Lyra Ceciliana de Cachoeira desde os treze anos de idade. E por isso teve influências locais como Antônio dos Reis Rodrigues Rainha, seu mestre na filarmônica. Outros grandes músicos saxofonistas são suas referências, como Teixeira de Manaus, Ivanildo Sax de Ouro e Kennedy.

A Quarta dos Tambores acontece em toda primeira quarta-feira de cada mês no centro histórico da cidade de Cachoeira, no Recôncavo da Bahia. Dividido em três momentos -Toque das Nações, Toque dos Artistas e Resistec (a cada dois meses), o encontro cultural busca promover o diálogo entre as diversas manifestações culturais de matriz africana da região. A Quarta não possui fins lucrativos e é realizada pelo coletivo COMTA – Comunidade do Tambor, que tem o apoio da Prefeitura Municipal de Cachoeira.

Edição de Agosto da Quarta dos Tambores traz de MPB ao xote para seu público

DSCF6757

Alder abrindo o momento do Toque dos Artistas

No dia 5 de agosto foi realizada a 46a edição da Quarta dos Tambores, além da típica abertura com o Toque das Nações, onde são saudados os Orixás, se apresentaram no Toque dos Artistas Gabriel Miranda e o Grupo de Pífano da Lyra Ceciliana. A mostra Resistec encerrou a Quarta com a participação dos artista visuais Taís Gonçalves, Betto Veras, Dinha Argolo e Fagner Fernandes.

Agosto é o mês de Obaluê, também conhecido como Omolu, o Orixá é o senhor da terra e da cura, assim, o Toque das Nações dessa edição foi dedicado a ele. Além dos cantos para Obaluê, Pai Pequeno, que faleceu na semana passada, também foi homenageado.

Seguindo a programação, a apresentação de Gabriel Mirando abriu o Toque dos Artistas. Com um repertório que incluiu sucessos da MPB e sertanejo, o cantor animou o público presente e ao final, chamou seus amigos do grupo Chama os Muleke (que se apresentaram na 44a edição da Quarta dos Tambores) para cantarem com ele.

Após Gabriel Miranda, o grupo de pífano da Lyra Ceciliana de Cachoeira se apresentou com um repertório baseados no xote e coco. O grupo que se inspirou na Banda de Pífanos de Caruaru também levou para sua apresentação músicas já conhecidas pelo público em geral.

O momento RESISTEC foi responsável por encerrar essa edição da Quarta dos Tambores. Os artistas trouxeram para a praça o seu projeto Ser Liberto, que faz o uso do sensor Kinect para possibilitar a interação com o público. Com projeções de correntes, que se movem de acordo com os movimentos do espectador, o projeto tem o objetivo de discutir de os caminhos que as pessoas tomam para se sentir livres, seja através da espiritualidade, ideologias, entre outros.

DSCF6813

Grupo de pífano da Lyra Ceciliana de Cachoeira

A próxima edição da Quarta dos Tambores acontece no dia 2 de setembro, na Praça Teixeira de Freitas, às 19:00 horas.

Próxima edição da Quarta dos Tambores acontece no dia 1 de julho com uma programação diversificada

O encontro acontece na Praça Teixeira de Freitas e começa às 19h com o Toque das Nações saudando aos orixás. O Toque dos Artistas este mês traz o percussionista Dedinho do Pandeiro e a Quadrilha Mirim da Professora Romélia. O momento Resistec, mostra de tecnologias produzidas no Recôncavo, apresenta o trabalho do programador Fagner Fernandes. A 45ª edição do projeto também terá aula de forró na praça com o professor Edson Bispo. A Quarta ainda recebe o professor Xavier Vatim que apresenta a pesquisa sobre o acervo brasileiro do linguista negro americano Lorenzo Turner, e depois finaliza a noite com apresentação de piano.

O Toque das Nações é o que marca o início da Quarta dos Tambores em todas as suas edições. Comandado por Toté Marcelino e Baba Gilmar, o toque dos atabaques faz a saudação aos orixás no primeiro momento do evento.

A cada dois meses a Quarta abre espaço para mostrar as tecnologias que estão sendo produzidas no Recôncavo da Bahia. A mostra Resistec desta edição recebe o muritibano Fagner Fernandes. O programador apresenta os últimos experimentos que vem desenvolvendo na intersecção da Computação, Artes Visuais e Dança utilizando o sensor kinect e a linguagem de programação Processing.

O ator e percussionista Dedinho do Pandeiro

O ator e percussionista Dedinho do Pandeiro

O Toque dos Artistas apresenta o ator e percussionista Dedinho do Pandeiro. O artista de Uruçuca, tem se destacado na arte, através da linguagem do teatro, e no radio com narração de estórias. Na música, Dedinho faz um trabalho percussivo, tocando ritmos tradicionais como o samba de roda e o forró. Para a Quarta dos Tambores, o artista traz uma mistura de ritmos, resultado de suas últimas criações. A outra atração é a Quadrilha Mirim da Professora Romélia. Formado por 43 integrantes, o grupo coordenado pela Professora Romélia dos Santos Lima possui mais de 6 anos trabalhando o teatro, a dança, a poesia e a música com as crianças de Cachoeira.

O forró continua na praça da Quarta com as aulas do Professor Edson Bispo. Licenciado em Dança pela UFBA, Edson ensina nesta quarta o forró básico, com demonstração de passos específicos onde os participantes terão a oportunidade de aprender enquanto se divertem.

Professor Doutor Xavier Vatin

Professor Doutor Xavier Vatin

A programação segue com a presença do Professor Doutor Xavier Vatim, que  apresenta a pesquisa do acervo brasileiro do linguista negro americano Lorenzo Turner. Xavier Vatin possui Doutorado e Mestrado em Antropologia Social e Etnologia (EHESS, Paris), e Graduação em Musicologia pela Université de Nice Sophia Antipolis. Desde 2006, é Professor Adjunto de Antropologia na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Vatin encerra a Quarta dos Tambores de julho com apresentação de piano, mostrando seu lado musical.

A edição de julho da Quarta dos Tambores acontece no próximo dia 1, às 19h, na Praça Teixeira de Freitas, Centro de Cachoeira. O evento é realizado pela coletivo Comunidade do Tambor e conta com o apoio logístico da Prefeitura Municipal de Cachoeira.

Quarta dos Tambores abre o São João de Cachoeira com quadrilha, forró e samba de roda

O último encontro da Quarta dos Tambores, realizado no dia 3 de maio, marcou a 44ª edição do projeto. Com noite chuvosa, o evento teve início às 20h com a saudação aos orixás no tradicional Toque das Nações. No Toque dos Artistas teve apresentação de quadrilha junina do Caquende, dos Sambas de Roda Filhos de Coqueiros e dos Filhos da Barragem. O forró também teve espaço com a apresentação da banda Forroot’s. Por conta da chuva, a mostra Resistec não pôde ser realizada, sendo adiada para a edição do mês de julho.

 

Como em todas as edições, o tradicional Toque das Nações foi quem deu inicio às apresentações da Quarta dos Tambores. Liderado por Toté Marcelino e Baba Gilmar, os alabês iniciaram com o toque para Exu e Ogum, e fizeram homenagens à Xangô.

ALD_7116

Teve muito samba corrido pra esquentar a noite

 

A chuva não atrapalhou a segunda parte da Quarta que começou com muito samba no pé. O Toque dos Artistas recebeu o Samba de Roda Filhos de Coqueiros pela primeira vez no evento. As sambadeiras e sambadores levaram todos os presentes a uma euforia que se espalhou por toda praça. O grupo fundado em 2009 veio representando a Associação de Sambadores e Sambadeiras de Maragogipe. A Quadrilha do Caquende entrou em seguida numa empolgação generalizada. Sob o comando de Nau Nego Bom, o resultado foi uma interação com criatividade e muito arrasta-pé na praça.

 

O forró foi contagiante

O forró foi contagiante no Arraiá da Quarta

A chuva continuava a cair, mas o público se matinha na praça quando o Forroot’s começou a tocar. Com um forró mais moderno, o trio de Conceição do Almeida trouxe o estilo pé-de-serra em seu repertório. Enquanto o público se divertia ao som do forró, a Quarta preparava a ultima apresentação da noite. O saudoso Samba de Roda Filhos da Barragem fez o samba corrido com seus 15 tocadores sob o comando do mestre Osvaldo da Silva. O grupo do povoado da Lagoa Encantada de Cachoeira encerrou a edição junina da Quarta. Quem esteve na praça para acompanhar o evento também pôde saborear o munguzá oferecido por Toté Marcelino, uma comida de milho típica das festas juninas. O São João da Quarta ainda contou com a presença do ilustre professor Doutor Cabenguele Munanga no público.

 

Os encontros culturais e políticos da Quarta dos Tambores acontecem em toda primeira quarta-feira de cada mês na Praça Teixeira de Freitas, no Centro de Cachoeira. O evento é organizado pelo coletivo Comunidade do Tambor (COMTA) e promove a interação criativa entre as diferentes linguagens e expressões do Recôncavo da Bahia. A COMTA, atualmente, recebe o apoio logístico da Prefeitura Municipal da Cachoeira, através da Secretaria de Cultura e Turismo e a Coordenadoria de Promoção da Igualdade Racial e da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. A próxima edição será no dia 1 de julho.

Forró e samba no pé abrem os festejos juninos da Quarta dos Tambores em Cachoeira

Nesta quarta-feira, dia 3, acontece a 44ª edição da Quarta dos Tambores. O encontro começa às 19h com a saudação aos orixás no Toque das Nações. O momento Resistec traz a participação do programador Fagner Fernandes de Muritiba. No Toque dos Artistas, a Quarta recebe dois importantes grupos de samba de roda da região, Filhos da Barragem, de Cachoeira, e Filhos de Coqueiros, de Maragogipe. O forró da Banda Forroot’s de Conceição do Almeida completa a programação.

Iniciando com o toque para Exu e Ogum, o Toque das Nações liderado por Toté Marcelino e Baba Gilmar, faz homenagem a Xangô.  Este momento traz ainda a participação do Ogan George Fagner Leal Pereira representando o terreiro Ilê Axé Ogunjá, de São Félix.

De Maragogipe para a Quarta dos Tambores

De Maragogipe para a Quarta dos Tambores

O momento Resistec mostra as tecnologias produzidas no Recôncavo, e nessa edição conta com a apresentação do muritibano Fagner Fernandes. O programador apresenta os últimos experimentos que vem desenvolvendo na intersecção da Computação, Artes Visuais e Dança utilizando o sensor kinect e a linguagem de programação Processing.

No Toque dos Artistas, a Quarta dos Tambores traz pela primeira vez o Samba de Roda Filhos de Coqueiros. O grupo vem participar do evento representando a Associação de Sambadores e Sambadeiras de Maragogipe. Fundado em 2009, o samba é formado por 24 integrantes, dentre eles sambadeiras, tocadores, um cantor e dois produtores.

Forroot's abre o São João da Quarta

Forroot’s abre o São João da Quarta

A festa continua com os consagrados sambadores do Samba de Roda  Filhos da Barragem. O grupo organizado pelo senhor Osvaldo da Silva, reúne 15 tocadores do povoado da Lagoa Encantada em Cachoeira. Em suas apresentações tocam o samba corrido, utilizando instrumentos como o timbau, o triângulo, a viola e o violão. A Quarta dos Tambores encerra o Toque dos Artistas com o forró da cidade de Conceição do Almeida, a banda Forroot’s apresenta seu show  para o público da Quarta.

A 44ª edição da Quarta dos Tambores acontece nesta quarta-feira, dia 3, às 19h, na Praça Teixeira de Freitas, no centro de Cachoeira.

Quem somos

A Comunidade do Tambor (COMTA) é um coletivo cultural responsável pela realização, na primeira quarta-feira de todo mês, dos encontros culturais e políticos da Quarta dos Tambores. A COMTA, atualmente, recebe o apoio logístico da Prefeitura Municipal da Cachoeira, através da Secretaria de Cultura e Turismo e a Coordenadoria de Promoção da Igualdade Racial e da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.


Quarta dos Tambores – Junho/2015

Praça Teixeira de Freitas – Cachoeira

3 de junho, às 19h

Programação:

Toque das Nações

Toté Marcelino e Baba Gilmar

Convidado: Ogan George Fagner Leal Pereira, Terreiro Ilê Axé Ogunjá.

Resistec

Fagner Fernandes

Toque dos Artistas

Samba de Roda Filhos de Coqueiro

Samba de Roda Filhos da Barragem

Banda Forroot’s